Conceito de Psicanálise

A psicanálise, fundada por um médico neurologista, Sigmund Freud, hoje é difundida mundialmente. Entretanto, muitas pessoas ainda confundem o que é e o que não é psicanálise. A psicanálise é uma ciência à parte da psicologia.

Também não se trata a psicanálise da mesma coisa que psiquiatria e nem pode ser considerada uma área da medicina. Apesar essa ciência de perpassar direta ou indiretamente essas áreas, além de áreas como sociologia, educação, dentre outras.

Assim, o que é e o que não é psicanálise acaba sendo uma dúvida, às vezes, até para os próprios atuantes da área. O que é a psicanálise e até que ponto pode se considerar os métodos psicanalíticos?

O próprio Freud passou por vários métodos, como o hipnotismo, para chegar ao que hoje é considerado o método psicanalítico. Além disso, houve muitas divergências entre os psicanalistas, contemporâneos a Freud ou posteriores a ele.

O que também acaba nos confundindo sobre o que é e o que não é psicanálise. Para se entender o que é e o que não psicanálise, deve-se primeiramente entender como funciona o método psicanalítico.

O método psicanalítico

Do ponto de vista terapêutico, trata-se de uma terapia baseada na ideia de que conhecer e compreender a origem dos problemas. Problemas que nos afetam e que, se sanados, podem nos libertar de tensões e de ansiedades. E de doenças ligadas à mente, com neurose e histeria. Para que se descubra isso, o psicanalista usa, principalmente, da análise.

Que é quando o paciente fala sobre si, sobre seus problemas e sobre a sua vida. Essa é a base do método psicanalista. Que é um dos fatores que define o que é e o que não é psicanálise.

A vida psíquica humana se desenrola sob o conflito. Os conflitos e incidentes mais marcantes na nossa evolução psíquica nos levam à época da infância. Inclusive, na primeira infância, conforme Freud explica.

Inclusive, explica por meio do que ele colocou como desenvolvimento psicossexual. Que se dá por meio de fases como a fase oral, anal, fálica, de latência e a fase genital. Os conflitos característicos da primeira infância, segundo Freud, podem ser resolvidos por meio de um desenvolvimento psíquico (e psicossexual) saudável.

Contudo, como às vezes ocorre, esses conflitos, às vezes, podem ser mal resolvidos ou mesmo não resolvidos. Ou alguma dessas fases pode não ser bem sucedida ou superada. O que acarreta que os mesmos sejam recalcados ou reprimidos, sendo afastados para longe da nossa consciência.

Então, eles passam a fazer parte do inconsciente, conforme aponta Freud. E é aí que entra o modelo psicanalítico. Sendo essa uma das questões que auxiliam a entender o que é e o que não é psicanálise.

A análise ajuda a desvendar os conflitos não resolvidos que estão escondidos no inconsciente. Isso faz com que o paciente possa trazer os conflitos do inconsciente ao consciente e, assim, resolvê-lo.

Mas afinal, o que é e o que não é psicanálise?

A psicanálise, conforme visto, é o método psicanalítico e tudo que o envolve. Bem como as pesquisas desenvolvidas na área. Para alguns autores é uma ciência, para outros, não chega a sê-lo. Às vezes quando se pergunta o que é e o que não e psicanálise, fica difícil de pontuar o que é realmente a psicanálise.

Já que essa área de conhecimento perpassa várias outras. Entretanto, pode-se pontuar o que não é psicanálise, propriamente, e que muitos acabam confundindo.

Psicanálise não é psicologia, por exemplo, e sequer se trata de uma área específica da psicologia. Apesar de terem um objetivo em comum: cura ou melhora do paciente que sofre de doenças legadas à mente.

Psicanálise não é medicina, também não pode ser considerada uma área dessa ciência. Apesar de alguns autores afirmaram que a psicanálise é a medicina da alma do nosso século. Mas talvez por que ela tratar diretamente com problemas de nossa mente, problemas mais escondidos, inclusive de nós mesmos.

Problemas ligados, portanto, aos nosso desejos e aos nossos sentimento, ou, ao nosso coração. Ou mesmo à nossa alma, como afirmam alguns autores ou estudiosos, da área ou não.

Além disso, para entender o que é e o que não é psicanálise, deve-se entender que psicanálise não é também psiquiatria. A psiquiatria é uma especialidade da medicina. Apesar de a psicanálise ter tratado e ainda tratar problemas como neurose e histeria.

Dessa forma, vemos que não é preciso ser médico nem propriamente psicólogo para ser psicanalista. Isto é, um Psicólogo pode ser também Psicanalista. Além disso, um Pedagogo pode ser também Psicanalista, por exemplo.

Por outro lado, um Psicanalista não precisa ser nada além de Psicanalista para poder exercer a Psicanálise.

O psicanalista e a sua profissão

Apesar de a Psicanálise não ser reconhecida no Brasil como uma Profissão Regulamentada. E nem em outros países. O Ministério do Trabalho e Emprego reconheceu a ocupação de Psicanalista no Brasil. De acordo com CBO n.º 2515-50, não há uma exigência quanto à necessidade de Curso Superior para que profissionais possam desempenhar esta atividade.

Além disso, existem grupos de associação de psicanalistas, que funcionam como Associações Civis de Direito Privado, que possui dentre os seus membros apenas Profissionais Psicanalistas. Sejam eles formados ou mesmo em processo de formação. Quando faz parte de uma Sociedade, Instituto ou Sindicato, o profissional passa a participar de um grupo profissional, que visa ao benefício da Classe dos Psicanalistas Brasileiros (seja no Brasil ou Exterior).

Tornar-se Psicanalista

Para se tornar um psicanalista existe, portanto mais de uma forma. Pode-se estudar essa área indiretamente ou “dentro” de outros cursos, como numa graduação de Psicologia. Apesar de não ser um estudo, muitas vezes, específico.

Por outro lado, a forma mais completa é realizar um curso de formação na área, de maneira específica, que contemple o tripé teoria, supervisão e análise, curso que seja ministrado por outros psicanalistas.

Além disso, é claro, há várias linhas dentro da psicanálise, o que pode refletir as diferentes tipos de instituições que podem ter cursos na área, cada uma seguindo seus próprios regramentos.

Papa Francisco fez Psicanálise aos 42 anos

Segundo registros e entrevista do próprio papa, o papa Francisco consultou uma psicanalista, aos seus 42 anos. O papa frequentou durante seis meses, uma vez por semana, uma psicanalista judia. Isso ocorreu nos anos 1970. Ao falar sobre essa experiência, o papa a considerou como uma experiência benéfica.

De acordo com o relato que aparece em um livro. “Papa Francisco: Encontros com Dominique Wolton, Política e Sociedade” foi lançado pela Les Editions de L’Observatoire em setembro de 2017. O livro tem 432 páginas.

O Papa Francisco

O papa Francisco nasceu em Buenos Aires em 17 de dezembro de 1936. Ele hoje é o 266º papa da Igreja católica e o atual Chefe de Estado do Vaticano. Francisco é o primeiro papa nascido no Novo Mundo, o primeiro papa latino-americano. Ele também é o primeiro pontífice do hemisfério Sul. Além disso, Francisco é o primeiro pontífice não europeu depois de 1200 anos.

Ele se tornou arcebispo de Buenos Aires em 1998 e foi elevado ao cardinalato em 2001. Francisco foi eleito papa no dia 13 de março de 2013.

Desde que assumiu a presidência da Igreja Católica, o papa Francisco vem ficando conhecido pelo seu posicionamento progressista. Principalmente, no que diz respeito a temas como aborto, divórcio e homossexualismo. Sua visão mais aberta sobre assuntos como esses vem causando polêmica entre muitos católicos e pessoas em geral. Principalmente nas pessoas de visão mais conservadora. Além de suas opiniões terem se tornado crítica de religiosos mais conservadores.

Por outro lado, há muitos defensores da visão do papa Francisco. Uma visão mais aberta, como muitos afirmam, mais atual. O que faz que, mesmo que a igreja receba crítica, também agregue mais adeptos, inclusive jovens.

Essa visão mais ampla e menos discriminatória se dá a vários fatores. Ele afirmou que “a Igreja não é os bispos, os papas e os sacerdotes, mas sim a Igreja é o povo.” O que se tem é que o papa sempre buscou saber mais sobre si mesmo e, assim, poder compreender mais o próximo. Um preceito importante e que deveria ser levado mais a sério, pelas pessoas em geral. E uma das formas que o papa encontrou para saber mais sobre si mesmo, foi ter feito psicanálise.

O Papa Francisco e a Psicanálise

Aos seus 42 anos, o papa Francisco frequentou sessões de psicanálise, com uma psicanalista judia. De acordo com ele: “Durante seis meses eu a procurei uma vez por semana para lançar luz sobre certas coisas”.

O papa ainda disse “Estava sempre presente”, confessou ao sociólogo francês Dominique Wolton. Trechos dessa entrevista foram publicados no jornal francês Le Figaro.

Ainda segundo o Papa, em sua entrevista: “Ela era muito boa, muito profissional… mas sempre ficou no seu devido lugar”. Além de acrescentar, sobre as sessões de psicanálise que: “Ela me ajudou muito.”.

Os trechos divulgados dessa sua entrevista não identificam a psicanalista. E também não explicam por que as sessões foram marcadas. O Papa Francisco disse que essa psicanalista que o havia ajudado quando ele tinha 42 anos, o procurou quando estava à beira da morte.

Segundo ele, entretanto: “não pedindo sacramentos, porque era judia, mas para um diálogo espiritual”.

Ainda nesse livro o papa revela ter aprendido sobre política com uma comunista. A qual foi assassinada pelos militares durante a ditadura argentina. O papa Francisco vem defendendo uma Igreja Católica mais aberta e inclusiva. Inclusive, ele criticou os “padres rígidos, que têm medo de se comunicar”.

Ele disse que “É um tipo de fundamentalismo. Quando encontro pessoas rígidas, especialmente se são jovens, digo a mim mesmo que estão doentes. Na verdade estão buscando segurança.”. Sua visão aberta reflete uma pessoa que procurou sempre o autoconhecimento, benefício esse que pode ser trazido, inclusive, por meio da psicanálise.

Benefícios da Psicanálise

A psicanálise pode ajudar a pessoa a se entender e, assim, a se relacionar melhor com os outros.

O processo de análise e o modelo psicanalítico ajudam a pessoa melhor a compreender os seus sentimentos e, assim, a viver mais livre de sentimentos como angústia, temor, culpa, etc. O que, eventualmente, ocorre com a condição humana, principalmente diante de tanta cobrança e das pressões sociais que sofremos atualmente.

Segundo a psicanálise, a causa do problema pode ser algo que foi vivido na infância que está, de certa forma, esquecido. Algo que não teve um impacto imediato na vida do sujeito.

Dessa forma, a psicanálise permite à pessoa conhecer os sintomas do que lhe aflige. Assim podendo chegar à causa de seus problemas e tratá-los. Criando uma nova forma de interagir com a coletividade.

Ao invés de fugir de si mesmo e de usar medicamentos para tentar esquecer os problemas. Como muitas pessoas fazem, inclusive por meio de consultas a médicos e psiquiatras. A psicanálise auxilia a pessoa a encontrar consigo mesma.

Como funciona a terapia psicanalítica?

Portanto, as horas supostamente gastas com análise, e até mesmo o investimento financeiro, são um investimento consigo mesmo. Um investimento que pode repercutir na forma como o indivíduo vê o mundo, ampliando a visão sobre as diferentes situações e ambientes que frequentamos.

O custo/beneficio do bem-estar interno pode não ser visto de forma imediata. Mas o tratamento da psicanálise, certamente, pode levar a resultados que se refletirão por toda a nossa vida.

Estamos sempre em construção e nos aprimorando, num processo que perpassa toda a nossa vida e a psicanálise pode ser grande aliada nesse processo.

Afinal, até o papa Francisco, um papa que possui uma visão aberta de mundo, fez psicanálise, numa época em que buscava respostas sobre a vida. E, acima de tudo, o papa Francisco afirmou que isso lhe fez bem.

Psicanálise e aparelhos psíquico para Winnicott

Donald Winnicott, assim como Melanie Klein, não traz uma perspectiva que rompa com a de seus antecessores. Pelo contrário, o autor segue a tradição freudiana e kleiniana.

Acontece que a interpretação de Winnicott é tão pouco representativa em relação às intenções originais desses autores que as referências são quase irreconhecíveis. É como se ele recontasse a história das ideias psicanalíticas adaptando-a para corresponder melhor à sua ideia particular de psicanálise. O autor reescreve Freud de forma a adaptar as ideias do predecessor às suas próprias ideias.

Winnicott acredita que seria aos seis meses de vida que o ser humano se encontraria em estado de completa dependência em relação ao meio. Meio esse representado, nessa fase, pela mãe ou por algo que seja como um substituto dela. É um período em que o bebê depende inteiramente do que é oferecido pela mãe. Mas existe um aspecto essencial: apesar dessa completa dependência, não é possível para o bebê reconhecer esse estado. Isso porque em sua mente não haveria ainda diferenciação entre si mesmo e o meio externo.

O autor prossegue dizendo que a existência do Inconsciente (Id) depende da existência de um Eu (Ego) que posso reprimi-lo. O Id, nessa perspectiva, seria desenvolvido de forma secundário, enquanto o Ego seria inseparável da existência de qualquer pessoa.

Podemos identificar, assim, uma diferença essencial entre a concepção de Winnicott e a de Freud, já que na teoria freudiana o Id representa o aspecto biológico da formação do indivíduo.

RECAPITULANDO

Podemos concluir que o conceito de Aparelho Psíquico diz respeito à psique como um todo. As divisões entre Inconsciente, Pré-consciente e Consciente, assim como os níveis do Id, Ego e Superego, designam instâncias mentais que exercem funções fundamentais para o funcionamento da mente humana. É o conjunto dessas divisões e as funções que elas cumprem o que chamamos de Aparelho Psicológico.

O que muda entre as concepções de Freud, Klein e Winnicott não diz respeito ao que seria o Aparelho Psíquico. Diz respeito às funções e às raízes de cada uma dessas divisões supracitadas.

5 livros de Psicanálise


Livros recomendados:
– Noções básicas de psicanálise: introdução à psicologia psicanalítica (Charles Brenner)
– Psicanálise da criança: teoria e técnica (Arminda Aberastury)
– Introdução à obra de Melanie Klein (Hanna Segal)
– Fundamentos psicanalíticos: teoria, técnica e clínica (David E. Zimerman)
– Vocabulário contemporâneo de psicanálise (David E. Zimerman)
– Psicoterapia de orientação analítica: fundamentos teóricos e clínicos (Cláudio L. Eizirik, Rogério W. Aguiar, Sidnei S. Schestatsky e Colaboradores)

Minhas redes sociais
Facebook – /sentanodiva1
Instagram – @crissakura
Snapchat – crissakura

Roteiro – Cristiele Rodrigues
Edição – Rafael Rodrigues

Fases Psicossexuais por Freud


Quando Freud começou a falar sobre sexualidade infantil foi duramente criticado, nesse vídeo eu explico um pouco sobre as fases psicossexuais e sobre o que é essa sexualidade infantil.

Minhas redes sociais
Facebook – /sentanodiva1
Instagram – @crissakura
Snapchat – crissakura

Roteiro – Cristiele Rodrigues
Edição – Rafael Rodrigues