O OUTRO LADO DA HISTÓRIA – A CARTA DA AMANTE

O tempo passa para todos, de repente você se enxerga no espelho não mais como adolescente sonhador, mas como adulto conformado, seguindo a constante tarefa de existir. Existir obviamente não possui o mesmo significado.

Você sonha ainda, é claro, mas com os pés no chão.

Não corre o mesmo risco de antigamente, onde o prazo para consertar os erros cometidos era muito maior e o perdão mais fácil conquistado.

Quando vira adulto, as prioridades mudam. Encontra-se atolado de obrigações e incorporado a rótulos da sociedade. Rótulos esses que o transformam em robô com alma danificada.

Passa a seguir um roteiro único, estudar, trabalhar, casar, procriar e transar de vez em quando. Passa a vida tentando acertar, ser incluído, em que, nem interessa tanto, mas que seja algo importante.

Então você começa a agradar. A quem ama, por vontade; a quem tolera, por educação; a quem não gosta, por interesse. Mas vai criando dependência.

As pessoas se apoiam tanto em você, e você nelas, que a missão passa a ser não magoá-las nunca. Não haveria nada de errado com esta função, a não ser por um motivo óbvio: muitas vezes só se consegue isso à custa da sua própria felicidade. Passa a existir somente para o outro. Anula seus sentimentos e vontades, não magoa ninguém.

Mas sai ferido.

Isso nem incomoda muito, porque essa ferida já cicatrizou, e mesmo se abrir novamente, não vai doer tanto, é muito fácil conviver com ela. Já está acostumado com essa vidinha “mais ou menos”, cheia de paz, mas sem nenhum sentimento. A questão é quando o destino resolve te sacanear. Porque você esbarra com alguém que te desviará desse roteiro correto, que seguia tranquilamente.

Ah, o amor, ou pior, a paixão!

O que acontece quando depois de adulto, você se descobre amando feito adolescente, alguém que não é a sua namorada de quatro anos?


Perde essa paz, ganha suspiros e uma nova vontade de viver. Não apenas existir, mas sentir. A ferida se abre de tal forma que se espalha por todo o corpo, atingindo em cheio o coração. O problema, é que você já concluiu seu próprio roteiro. Por alguns desvios, se achou no fim de sua história. É inadmissível outra pessoa chegar e mudar tudo isso.

Você, com a vida correta, que sempre lutou pra conseguir. Que absurdo, não? Seu coração ferve, sua mente flutua, ao mesmo tempo seu mundo desmorona. Você terá que reconstruir tudo de novo.

O pavor cega, o remorso atinge.

Deixe uma resposta